Kenneth P. Serbin estuda a trajetória de revolucionários brasileiros, da luta armada contra a ditadura (entre 1964 e 1974) à adesão às ideias e práticas do regime democrático (entre 1974 e os dias atuais).

Na parte 1 (capítulos de 1 a 4), narra-se a saga revolucionária que se estendeu até 1974. Derrotada a luta armada, inicia-se o processo de integração dos militantes revolucionários à resistência não violenta à ditadura (parte 1, capítulo 5). Nas prisões, no exílio ou no país, os revolucionários participarão das lutas democráticas, dos movimentos sociais e das disputas eleitorais, processo que se estende durante as décadas de 1980 e 1990 (parte 2, capítulos de 6 a 9). Na parte 3 (capítulos de 10 a 13), narra-se a história de como alguns desses revolucionários assumiram o poder, exercendo-o como lideranças ou auxiliares, dos anos 1980 à eleição de Luiz...

You do not currently have access to this content.